quarta-feira, 26 de novembro de 2008

O bocejo

O bocejo

O bocejo é o entreabrir da boca que denota sono.
Quer dizer, quando o bocejo nasceu , a ele comunicaram que só deveria se manifestar quando o sujeito sentisse sono. Mas hoje em dia, coitado, aparece em qualquer situação, menos quando a pessoa está com sono. Olavo bocejou em uam rave, no meio da multidão, u-rrú!, todos de bracinhos para cima, balançando a cabeça, tu-ti-tu-ti. Já Tânia bocejou bem no instante em que o professor chegava ao ápice de sua explicação sobre o sujeito pós-moderno. E Rita, imagina só, não só bocejou como caprichou no suspiro ao escutar do namorado a explicação sobre a viagem de fim de ano.

O bocejo está preocupado mesmo é com o seu contágio, que anda rápido demais. Ele bem sabia que quando aparecesse chamaria imediatamente uma porção de seres como ele. Só não sabia que a velocidade seria essa. Outro dia mesmo, no cinema, o bocejo se surpreendeu ao ver a quantidade de irmãos que encontrou em uma mesma cena. Era um desfile: um maior que o outro. E também se preocupou com o contágio rápido nas plenárias do planalto, nos escritórios e até mesmo nos inferninhos, em que supostamente o contágio de bocejos seria o menos preocupante.

O bocejo está pensando em tirar férias. Glória ficou preocupada, pois não consegue viver sem bocejar.

2 comentários:

Clara M. disse...

juuro que bocejei quando estava terminando de ler... É, acho que, se o bocejo tirou mesmo férias, veio pra Floripa! xD

Clara disse...

Clara M., não se preocupe, eu tb bocejei quando estava escrevendo. O bocejo não se mudou praí. Acho que pode ser mal do nosso nome. Beijos.