sábado, 4 de agosto de 2007

Banguela

Banguela era iniciante, mas estava gostando do trabalho. Só estranhou quando lhe passaram a nova tarefa.

Centro espírita, Anselmo, não estamos indo longe demais, não?
Sossega, Banguela, tá cheio de bacana, é só chegar e fazer a limpa. Tu é do serviço ou não é?

Banguela arrombou a porta num só soco. Todos reagiram com um susto. Menos um, o médium. Ao invés de se jogar no chão, ele andava. Atira logo, Banguela! Não dá, não dá! Algo o impedia de puxar o gatilho. Deixou que o médium tocasse em seus cabelos. Fitou aquela face e reconheceu, no sorriso suave e no cafuné: era sua tia Dolores. A vergonha percorreu as vértebras como um assobio.

2 comentários:

monica disse...

Gostei muito!!!!!
ve o meu tb!!!!e se puder comente!!!

Juju disse...

gênia