quarta-feira, 14 de março de 2007

O Bakhtin que há em mim

Eu e Bakhtin temos muito em comum.

Bakh nasceu na Rússia, em 1895, um frio da pinóia. Desde os sete anos ele teve que mudar de cidade constantemente. Aos 24, fazia parte de um grupo que reunia intelctuais das mais variadas áreas, artistas, etc, o conhecido círculo de amigos de Bakhtin. Eles faziam discussões bastante produtivas, muitas delas resultaram nos maravilhosos escritos que Bakh deixou para nós. A partir de 1929, começaram as perseguições na União Soviética, e Bakh mudou-se seguidamente: Leningrado, Kostanai, Saranski. Coitado. O círculo de amigos vira e mexe se reconstruia, eles não arredavam pé. Ah, quase me esqueço, Bakh sofria de uma doença seríssima nos ossos, que provocava dores terríveis nos quadris e fez com que ele amputasse a perna direita. Áfi maria. Seus trabalhos nunca foram reconhecidos enquanto ele teve vida. Ele nunca ganhou títulos acadêmicos.
Bakhtin hoje é considerado um gênio. Brilhante, magnífico, monumental. Uma coisa. Seu trabalho repercute em vários outros, nas mais diferentes áreas: linguística, comunicação, teoria da literatura. É o cara.

Sim, e o que tenho eu com isso? Bakh era fumante. Eu não sou. O fato é que, quando a guerra apertava, havia escassez absoluta de materiais, e Bakh não tinha como enrolar seus cigarrinhos. Daí ele não tinha dúvida: pegava seus escritos, enrolava o tabaco e fumava. Me senti muito identificada. A primeira vez que fumei, com uns amigos, no Parque Lage, a gente também não tinha com que enrolar. Não que o Rio estivesse em guerra, foi inexperiência mesmo. Mas tinhamos acabado de receber o resultado de uma prova de álgebra. Fumamos a prova. Os números se desenrolando em nossas mentes. Genial.
No caso do Bakhtin, fiquei com pena, ele pode ter fumado muitas idéias revolucionárias. Mas tudo bem. Cada um com seus escritos.

2 comentários:

Jujuba disse...

hahahhaaha muito bom!

el disse...

Muito bom, Clara! Não sei o que o Bakh pensaria disso, mas se ele era um cara bem-humorado (com tanta genialidade, tem que ser!) , adoraria!

bj!